PARA, PARA, TUDO! JOÃO KLEBER? Não, são os Rodoviários que fazem greve de 100% da frota em Manaus

January 17, 2017

 

 

 

Rodoviários descumprem decisão judicial e fazem greve de 100% da frota em Manaus

Rodoviários de diversas empresas do transporte público paralisaram as atividades na manhã desta terça-feira (17), em Manaus. Nenhum dos 1,4 mil ônibus da capital está em circulação. A paralisação da categoria descumpre a decisão da Justiça do Trabalho, que determinou, na segunda (16), que 100% da frota estivesse nas ruas, após anúncio de greve pela classe. Ao todo, 400 mil usuários são prejudicados.

 

 Segundo o diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviários de Manaus (STTR), Demógenes Egleses, a categoria exige o pagamento do dissídio coletivo de 2016 e o adicional de insalubridade, que também está atrasado. "A gente está há oito meses com reajuste atrasado. Em vista que daqui a quatro meses vai começar um novo reajuste, viemos para o tudo ou nada", disse.

 

Para 2016, a categoria deveria ter recebido reajuste entre 8,5 e 9,5%, segundo Egleses. Na semana anterior, os rodoviários tinham anunciado a greve da categoria, que foi suspensa após o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) acatar o pedido feito pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do

 

Estado do Amazonas (Sinetram).

Em decisão, o juiz plantonista do Tribunal Regional do Trabalho da 11º Região, Adilson Maciel Dantas, informou que não existe comprovação de que a população tenha sido avisada com antecedência, conforme determina a Lei nº 7.783/1989.

 

Pelo descumprimento, o Sindicato dos Rodoviários poderá ser multado em até R$ 50 mil por dia de paralisação. O juiz estabeleceu ainda o uso de forças policiais para cumprir a liminar. Entretanto, nesta manhã, não houve movimentação nesse sentido.

 

Além do Sinetram, a Prefeitura de Manaus - por meio da Procuradoria Geral do Município (PGM) - também entrou com ação no TRT para impedir a paralisação geral dos serviços de transporte público. O pedido foi acatado pela Juíza do Trabalho, Eliane Leite Correa, que determinou pagamento de multa diária de R$ 100 mil para cada dia de paralisação.

 

"É injusto que a gente seja multado a R$ 100 mil por dia de paralisação, enquanto as empresas têm que pagar R$ 1 mil por dia por não pagar a insalumbridade dos funcionários", completou o diretor do Sindicato dos Rodoviários.

 

Os rodoviários cruzaram os braços e protestaram na frente das empresas. De acordo com o sindicato, não há previsão para o fim da paralisação. "O sindicato não recebeu notificação nenhuma. Pedimos reunião para evitar a greve mas ninguém demonstrou interesse. Queremos resolver essas pendências hoje e só vamos suspender a paralisação quando for resolvido", disse o secretário do STTR, Elson Campos.

 

Ainda segundo ele, a paralisação da categoria não é irregular. "Nós fizemos todo o trâmite legal, chamamos a assembleia, na sexta-feira (13) comunicamos o Sinetran, SMTU, Ministério Público e Justiça do Trabalho, e também saiu uma nota no jornal comunicado a paralisação. Então, todo o trâmite que a lei exige, nós fizemos, nós não estamos irregulares", completou.

 

Desde as primeiras horas acompanhando a paralisação ilegal dos trabalhadores do Sistema de Transporte Coletivo na manhã desta terça-feira, 17, o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, classificou como insensata e inconsequente a atitude da categoria, que paralisou 100% da frota de ônibus da capital.

 

Prefeitura rebate
Por meio de nota, a Prefeitura de Manaus informou que o pagamento dos dissídios coletivos de 2016 tem data base até o dia 1º de maio e está sob análise do Tribunal Superior do Trabalho (TSE).

O prefeito Artur Neto se pronunciou sobre a paralisação. Ele disse que não vai ceder à pressão. "Não terá consequência nenhuma mesmo, porque não vai haver pressão. Não vou trabalhar sob pressão para colocar uma minoria acima de mais de dois milhões de manauaras. Falo isso com clareza e com firmeza", disse.

 

Fiscais da Superintendência Municipal de Transporte Urbanos (SMTU) estão atuando nas dez garagens que atendem o município para acompanhar o ato. Agentes da Guarda Municipal de Manaus estão presentes nos terminais de integração e policiais da Policia Militar também estão dando apoio.

Os microônibus do Transporte Alternativo e os mototaxistas foram autorizados a seguirem viagem até o centro da cidade. A SMTU irá encaminhar um relatório para a PGM sobre a greve, para que sejam adotadas as providências legais cabíveis, segundo a Prefeitura de Manaus.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now